Casamento Eterno, Chamado e Eleição & A Ordenança do Lava-Pés

Updated: Jul 5



Tudo o que Deus faz é eterno

O início de tudo trouxe o único casamento realizado diretamente por Deus que conhecemos, em Gênesis 2:22-24:

“E da costela que o Senhor Deus tomou do homem, formou uma mulher, e levou-a a Adão.

E disse Adão: Esta é agora osso dos meus ossos e carne da minha carne; esta será chamada mulher, porquanto do homem foi tomada.

Portanto, deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne.”

Em Eclesiastes 3:14, lemos:


“Sei eu que tudo quanto Deus faz durará eternamente; nada se lhe deve acrescentar, e nada dele se deve diminuir; e isso faz Deus para que haja temor diante dele.”

Este versículo nos ensina que tudo o que o Senhor faz é, além de bom, eterno. Casamentos feitos pelo poder autorizado, o Sacerdócio de Deus, conhecidos como selamentos, durarão eternamente.

Em Mateus 16:19, aprendemos que:


“E eu te darei as chaves do reino dos céus; e tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus.”


Jesus Cristo conferiu as chaves do Sacerdócio de Melquisedeque a Pedro, que mais tarde conferiu o mesmo poder ao profeta Joseph Smith e restaurou a autoridade de exercer o poder selador. O Sacerdócio também permite que, em nome de Jesus Cristo, incluindo o batismo, um portador digno possa conferir o Dom do Espírito Santo, bênçãos de cura e conforto, além de selamentos.

Para ler mais sobre o Casamento Eterno, leia também o artigo Casamento Eterno na Bíblia: Escrituras a Ponderar.

Se formos fiéis, estaremos com Ele

“Ter o chamado e as eleições garantidas” não é uma frase que usamos muito dentro ou fora da Igreja de Jesus Cristo, pois normalmente quem sabe do assunto o guarda como sagrado. Não entrarei em detalhes aqui sobre estas ordenanças restauradas por Joseph Smith, apenas contribuirei para que possamos entender melhor as origens e o que há de publicado sobre o assunto. Em minha opinião, quanto mais estudarmos a doutrina, mais entenderemos a mente do Criador, nos converteremos e viveremos o Evangelho.

Pedro claramente entendia o que estas duas ordenanças significavam. Ele mencionou em 2 Pedro 1:10:


"Portanto, irmãos, procurai fazer cada vez mais firmes a vossa vocação e eleição; porque, fazendo isso, nunca jamais tropeçareis."

Quem é que não gostaria de receber este tipo de promessa: de nunca cair? E quais os requisitos para que recebamos tal promessa?

Para entender o que Pedro quis dizer, verifiquemos os versiculos anteriores, pois ele fez uma lista das coisas que precisamos ser diligentes, ou seja, nossas escolhas, para que alcancemos nosso chamado e eleição como garantidos.

2 Pedro 1: 2-8:


“Graça e paz vos sejam multiplicadas, pelo conhecimento de Deus, e de Jesus, nosso Senhor;

Como o seu divino poder nos deu tudo o que diz respeito à vida e piedade, pelo conhecimento daquele que nos chamou por sua glória e virtude;

Pelas quais ele nos tem dado grandíssimas e preciosas promessas, para que por elas vos torneis participantes da natureza divina, havendo escapado da corrupção, que pela concupiscência há no mundo.

E vós também, pondo nisso mesmo toda a diligência, acrescentai à vossa fé a virtude, e à virtude, o conhecimento,

E ao conhecimento, temperança; e à temperança, paciência; e à paciência, piedade;

E à piedade, amor fraternal; e ao amor fraternal, caridade.

Porque se em vós houver e abundarem essas coisas, não vos deixarão ociosos nem estéreis no conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo.”

Ou seja, ter o chamado e as eleições asseguradas é procurar ativamente fazer a vontade do Senhor, aceitando cada prova, entendendo a Expiação de Cristo, afastando-se do mundo, buscanco a excelência nos princípios e ordenanças básicos do Evangelho, e principalmente não ser estéril ou ocioso na busca do conhecimento do Salvador Jesus Cristo.

O Chamado e Eleição (ou Segunda Unção)

Os seguidores justos de Cristo podem se tornar numerados entre os eleitos que ganham a garantia da exaltação. Este chamado e eleição começa com o arrependimento e o batismo. Ele se torna completo quando "avança, se banqueteia com a palavra de Cristo e persevera até o fim" (2 Nefi 31:19-20). As escrituras chamam este processo tornando os nossos chamados e eleições certos (2 Pedro 1:4-11; D&C 131:5-6).

Com base na dignidade pré-mortal, Deus escolheu aqueles que seriam a semente de Abraão e a casa de Israel e se tornariam pessoas da aliança (Deuteronômio 32:7-9; Abraão 2: 9-11). Essas pessoas recebem bênçãos e deveres especiais para que possam abençoar todas as nações do mundo (Romanos 11:5-7; 1 Pedro 1:2; Alma 13:1-5; D&C 84:99). No entanto, mesmo esses escolhidos devem ser chamados e eleitos nesta vida para ganhar a salvação.

Em D&C 93:1, lemos:


“Em verdade, assim diz o Senhor: Acontecerá que toda alma que abandonar os seus pecados e vier a mim, e invocar o meu nome, e obedecer à minha voz, e guardar os meus mandamentos verá a minha face e saberá que eu sou.”

Esta promessa foi um dos fundamentos da restauração realizada por Joseph Smith, e cujas revelações repetiram ao longo de sua vocação como profeta de Deus, principalmente aqueles que entram no templo, como em D&C 97:15-16:

“E na medida em que meu povo me constrói uma casa em nome do Senhor, e não sofra qualquer coisa impura para entrar nela, para que não seja contaminada, a minha glória repousará sobre ela;

Sim, e a minha presença estará lá, porque eu entrarei nela, e todos os puros de coração que entrarem nela verão Deus.”


A importância dos convênios no Templo sagrado

Na biografia de Joseph Smith, compilada por Richard L. Bushman, e expandida pelo projeto Joseph Smith Papers, Richard observou que, no templo, os santos poderiam conhecer a Deus. Joseph esperava que seus santos fossem dignos e limpos de todo lixo mundano e assim se tornassem dignos para ver a Deus como o povo de Moisés nunca pode. Joseph disse:

“Eu me sinto disposto a falar-lhe algumas palavras, meus irmãos, sobre a investidura [de poder do Alto]: todos os que estão preparados e são suficientemente puros para cumprir a presença do Salvador, o verão na assembléia solene.”

Um excelente artigo sobre o Chamado de Eleição, escrito por Roy W. Doxey, “Aceito pelo Senhor: A Doutrina de fazer seu Chamado e Eleição ratificados”, traz a seguinte explicação feita pelo Presidente Marion G. Romney, enquanto membro do Conselho dos Doze, quando admoestou os santos em Conferência Geral para fazer sua vocação e eleição certas:

"A plenitude da vida eterna não é atingível na mortalidade, mas a paz que é seu prenúncio e que vem como resultado de tornar o chamado de eleição certeiro é alcançável nesta vida. O Senhor prometeu que "... quem praticar as obras da justiça receberá a sua recompensa, a paz neste mundo e a vida eterna no mundo vindouro". (D&C 59:23)

Eu acho que a paz aqui referida é implícita na declaração do Profeta Joseph Smith, na manhã de seu assassinato: "Eu vou como um cordeiro para o abate, mas estou calmo como manhã de verão. Eu tenho uma consciência limpa em relação a Deus e a todos os homens." (DHC, 6: 555)

Se você quiser aprender mais sobre a doutrina divina do Chamado e Eleição, consulte as referências no final desta página.


<